#SQN

280

Ah! o horário eleitoral. Como é bom ficar na frente da TV ouvindo as propostas reais dos candidatos e ter a chance de escolher com consciência a quem confiar o voto nas eleições que se aproximam. #SQN![hashtag Só Que Não, expressão usualmente empregada em redes sociais]. O tal do horário político de tão ruim faz bem. Como? É no momento em que ele está passando na TV que as famílias desligam o aparelho e vão fazer o que raramente fazem: conversar uns com os outros! Claro que há os que vão fazer o que comumente fazem: ir para o computador, tablete, smartphone etc. se isolar no mundo virtual enquanto o espaço físico fica cada vez mais povoado de pessoas ausentes.
Eleição vai, eleição vem e a tática é a mesma: mentir, falar inverdades, ludibriar o povo, ou seja, mentir sempre e em toda situação. Quando surge um candidato que, supostamente, fala a verdade, é de um partido inexpressivo e, possivelmente, nunca foi eleito nem para líder de sala de aula. Mas, é a velha história, se o cara num rouba, aprende a roubar lá dentro, assim, do que adianta tanta cautela ao votar mesmo? Ao menos é esta a ideia vendida por muita gente cansada de promessas não cumpridas. Eu ainda penso diferente, ao menos enquanto existirem políticos que pensam no povo, como o prefeito de Teixeira de Freitas. Digno de aplausos é o projeto Orquestrando o Futuro, o “Blitz Qualidade de Vida” e o “Ginástica e Caminhada Orientada”, além de muitos outros de suma importância para a população. Vale citar ainda a paternidade por ele assumida do Aeroporto 9 de Maio, que começará a funcionar em breve, marco importante do desenvolvimento turístico e econômico de Teixeira e região. Bosco vem cumprindo as promessas, mesmo arcando com os prejuízos dos oito anos de inércia da administração passada.
Mas, uma pena ele estar no pequeno grupo da exceção! Enquanto políticos que trabalham são minorias, vamos ter criticidade e buscar viver em outra frequência. Não nos permitir enganar com belos discursos e sorrisos simpáticos, apertos de mão fervorosos. É imprescindível analisar a aplicabilidade das promessas a curto e longo prazo e evitar: votar porque o ‘cara’ é amigo seu, de seu pai, avó etc. Ele tem que ter propostas convincentes boas para você, seu Estado, seu país! Votar porque foi com a cara do candidato. Ele é simpático! Oras, ele irá trabalhar em prol de sua qualidade de vida, ele não vai ser seu “amigo de infância”, entendeu?! Votar porque não tem ninguém melhor mesmo. Por favor, se a gente analisar bem, consegue escolher candidatos decentes (ao menos em tese) e o mais comum – NÃO voto em fulano porque ele não tem chance de vencer. Com certeza, enquanto tiver quem pensa assim, votos a menos para quem, se eleito, poderia até ser bom político.
Mas, voltando às outras frequências, o bom mesmo é que nós “não vemos graça nas gracinhas da TV e morremos de rir no horário eleitoral”.