Paraninfos homenageiam turma de formandos com Aula da Saudade e outdoor

742
Professora Ilca Sanches (paraninfa) e alunas durante a Aula da Saudade.

Os cursos no ensino superior são considerados por muitos uma verdadeira maratona, entretanto, ao longo de cinco anos de convivência, são formados laços de amizade e fraternais, não apenas entre os discentes, como também com os professores, que se refletem na nostalgia dos momentos compartilhados. Esses sentimentos foram enaltecidos na Aula da Saudade, acontecida em 7/2, promovida para a turma de direito que se formou no último semestre (2011.2), na Fasb, através de homenagens prestadas e recebidas dos professores escolhidos como paraninfos.

“Nós fomos os primeiros homenageados, por sermos escolhidos como os paraninfos”, disse o professor escolhido como paraninfo pela turma matutina, Ali Abutrabe. “Esse é o resultado de um trabalho que culmina na felicidade de vê-los preparados, de participar de sua conquista, e pelo reconhecimento do que fizemos. Esse convite é o nosso prêmio”, depôs entusiasmado o paraninfo.

Para congratular a etapa vencida, conforme relatou a professora homenageada pela turma noturna, Ilca Sanches, foi organizada “a Aula da Saudade, que é, na verdade, uma despedida. Foi um momento emocionante, em que nós relembramos esses cinco anos juntos, passamos fotos desde o início da caminhada e cada um teve a oportunidade de fazer uma breve retrospectiva – quando os sentimentos vieram à tona”, contou a professora Ilca.

A Aula da Saudade foi embalada pelo tema “Carnaval”, tendo por título “Direito à alegria”, onde cada aluno foi presenteado com um kit carnavelesco – contendo máscara, apito e outros adereços – e um abadá, além de um cravo, para os homens, e rosas, para as mulheres, e foram também recepcionados por uma colombina e um pierrot.

Professor Ali Abutrabe, paraninfo.

Os alunos ainda foram, mais uma vez, surpreendidos com a criatividade e carinho dos professores paraninfos, que os homenagearam com a exposição de outdoor, na Av. Presidente Getúlio Vargas, ao lado do antigo Fórum, no Centro da cidade, com a foto das turmas e a frase “Ê saudade, que bate no meu coração”. “‘Ê saudade, que bate no meu coração’, é o que todos nós sentimos agora”, destacou o professor Ali.

“Depois de uma etapa vencida, nós só podemos desejar que cada um siga o seu caminho e que o que foi vivido aqui, toda a aprendizagem técnica, bem como pessoal e humana, seja levada para a vida inteira. E que, claro, fique vivo, na memória e no coração, os laços que aqui foram formados”, salientou a paraninfa. Por Raíssa Félix / Jornal Alerta