Jornalista diz que foi milagre ninguém do “Teixeiranews” se ferir durante tiroteio ao lado da Redação

280

Teixeira de Freitas – No início da manhã de quarta-feira (20/8) o jornalista Ronildo Brito, um dos editores do “Teixeiranews”, retornou ao escritório do site, que fica no primeiro andar do edifício da Unigraf, na rua Felinto Müller, 31, no centro de Teixeira de Freitas, e, além de contabilizar os prejuízos, disse acreditar ser um milagre o fato de ninguém do órgão de imprensa sair ferido após um tiroteio ocorrido no escritório ao lado, pertencente à empresa Juliano Guimarães Ltda., especializada no gerenciamento financeiro de fazendas de café na região.

Jornalista Ronildo Brito afasta um pouco da mesa para mostrar que os projéteis transfixaram na direção do seu lugar de trabalho.
Jornalista Ronildo Brito afasta um pouco da mesa para mostrar que os projéteis transfixaram na direção do seu lugar de trabalho.

“Foi um milagre o companheiro Athylla ter se atrasado alguns minutos, e caso eu estivesse sentado em meu lugar de costume, certamente seria atingido, pois os projéteis cruzaram nossa Redação, quase todos com transfixação justamente ao lado de minha cadeira. Não estar no momento foi coisa de Deus”, disse.
“Como os tiros foram dados de cima para baixo, até um notebook que seria usado por meu filho foi esmagado por um dos projéteis”, completa.
O computador portátil foi levado para o escritório recentemente pelo jornalista Ronildo Brito e seria usado a partir da próxima semana por seu filho Bruno Brito, que apesar de estudante de biomedicina, colabora com o pai nas postagens de reportagens e administração direta de conteúdo com as redes sociais. “Essa semana estive muito envolvido com a construção da casa dele (Bruno) e, por isso, quase não fomos ao escritório, apenas na redação multimídia que fica no Bela Vista”, acrescentou Ronildo Brito, um dos fundadores do “Teixeiranews”.
Ainda de acordo com Ronildo Brito, a decisão de continuar ou não no prédio será tomada somente na próxima semana, mas, garantiu que nesses próximos dias o escritório permanecerá fechado. “Para quem não acredita em milagres e na força de Deus, esse foi o ato mais evidente de que Ele nos protege. Agora é agradecer a Deus, pedir mais proteção e tentar tocar a vida, sem esquecer que precisamos exigir mais segurança de nossas autoridades. A violência banalizou de uma forma, que atualmente ninguém de sente mais seguro”, finalizou.