II Etapa do Campeonato Estadual de Jiu-Jitsu foi em Teixeira

42
Compartilhar

Teixeira de Freitas – Teixeira de Freitas sedia a II Etapa do Campeonato Estadual de Jiu-Jitsu, com a organização do Professor Alisson Ferraz. O evento foi realizado no domingo 18 de junho 2017, sendo este consagrado o maior evento da Bahia neste esporte, que vem crescendo a cada ano. Em torno de 190 atletas de vários estados participaram, teve representante da Bahia, Minas Gerais e Espírito Santo. Espectadores lotaram as arquibancadas do Ginásio de Esportes Antônio Imbassahy. O campeonato teve o apoio da Prefeitura Municipal de Teixeira de Freitas, através da Secretaria de Esporte, e grandes patrocinadores que acreditam nos atletas.
Os atletas baianos representaram muito bem o Estado nessa II Etapa, e o resultado por equipes foi o seguinte: 1º Lugar (Equipe Simetria), 2º Lugar (Equipe Jiu-Jikan), 3º Lugar (Equipe Soul Fighters), 4º Lugar (Equipe Jubarte) e 5º Lugar (Equipe Gracie Barra).
Essa modalidade é conhecida mundialmente como arte suave, não se sabe ao certo onde surgiu o Jiu-Jitsu, existem registros históricos da prática esportivas semelhante em países como China, Alemanha, Egito e Pérsia. Uma fusão de artes marciais, técnicas de Samurais e formas de defesa pessoal para os mais fracos, engana se quem acreditava que o Jiu-Jitsu é esporte para os fortões e valentões.
Hoje é um dos esportes mais procurados por crianças, jovens, adultos e até a melhor idade, que se arrisca no tatame, isso devido a sua filosofia de disciplina, hierarquia e percepção. “A cada dia cresce o número de pais que procuram o Jiu-Jitsu como prática esportiva para os filhos indisciplinados com dificuldades de aprendizagem na escola, os resultados são positivos e perceptivos sem um curto e médio prazo de tempo. Crianças autistas e portadoras de TDAH são muito bem vidas nessa prática esportiva”.  Explica o professor Alisson Ferraz.
Mesmo não sendo um esporte olímpico, devido a um desejo de Hélio Gracie, que certa feita deixou claro que a arte por ele adaptada para os mais fracos não era para ser um esporte de competição, mas sim de defesa do cidadão, da mulher da criança e até do idoso.
O que se sabe ao certo que o legado da Família Gracie hoje se espalha pelos quatro cantos do mundo, e graças a toda uma disciplina, dedicação e filosofia da arte, o Jiu-Jitsu tem reconhecimento internacional, em países Árabes o esporte é um dos mais aclamados e bem remunerados, os salários dos atletas podem chegar a valores estimados em U$ 10.000.

Compartilhar

Faça um comentário!