Coisas da vida: razão e emoção

340

Portanto, em nossa vida pessoal, profissional e familiar, é necessário criarmos um “escudo” que nos proteja – inclusive de nós mesmos – de situações constrangedoras.

Segundo Andrew Matthews, uma pessoa preparada emocionalmente, dita madura, não se abala por causa de comentários indelicados de outras pessoas.

São provocações às vezes motivadas por inveja ou simplesmente porque elas gostam de criar situações constrangedoras.

Frases como “você come demais”, ou “você trabalha pouco” ou ainda “todo mundo sabe que você se casou por interesse” tem sentido invasivo e conotação maldosa bastante para gerar esse tipo de agressão verbal.

Qualquer que seja o motivo dessas pessoas, a melhor maneira de lidar com isso é com um meio sorriso e não dizer nada. Ou pacientemente concordar com a pessoa.

Assim quando você trocar de carro e alguém disser “tá ficando rico, não é?!”, sorria e responda “não é maravilhoso?!”. Assim não tem que explicar nada sobre suas responsabilidades e sobre o tempo que “ralou” no trabalho. Não precisa justificar nada. Apenas sorria e deixe isso para lá.

Quando qualquer parente alfinetar – “você está sempre descansando”, concorde entusiasticamente. Diga “sim, adoro descansar”.

Se os vizinhos disserem “puxa, você deve ter gasto uma grana alta nessa reforma de sua casa”, sorria e fale: “pode apostar que sim. É que eu só faço boas reformas”.

Não se deixe perturbar. Você não vai ganhar nada discutindo com seu cônjuge, irmãos, cunhados, primos, vizinhos, colegas ou com quem quer que seja.

Quando estiver com pessoas assim, concorde de maneira natural e gentil.

Se começar a tentar se defender… VOCÊ ESTÁ FRITO…

Em poucas palavras: quando uma pessoa “pensa pequeno” costuma fazer comentários desagradáveis a torto e a direito, justificando assim sua pobreza mental.

Tal comportamento é contagioso e tem como resposta uma reação também de “pensar pequeno” que se expressa na ação defensiva de “se ofender”.

Pessoas que “pensam pequeno” se ofendem com facilidade.

Seja alguém que “pensa grande”.

*Carlos Magno Perin é PhD em Terapia Cognitiva Comportamental e Inteligência Emocional.