Banco do Brasil fará reintegração de várias casas no Antônio Costa Filho

“Quem comprou, perdeu o dinheiro. Quem vendeu, perdeu a casa”, disse o gerente do BB Milton César

22
Compartilhar

Teixeira de Freitas – A Prefeitura e o Banco do Brasil já estão convocando as pessoas que foram contempladas no Conjunto Santo Guimarães para assinarem os contratos das 1.000 casas populares que ainda falta serem entregues, mas o Banco do Brasil adiantou que retomará as casas daqueles que não ocuparam ou que venderam a terceiros, pois o programa impede que haja repasse dos imóveis antes da quitação no prazo de 10 anos.
Para tanto foi dada uma entrevista coletiva com a imprensa no Gabinete da Prefeitura de Teixeira de Freitas com as presenças do secretário Municipal de Habitação, Agnaldo Ferreira Santos; o gerente geral do Banco do Brasil, Milton Cesar Pereira e o gerente de governo do Banco do Brasil, Péricles Barbosa.
Na oportunidade Milton César lembrou de problemas recorrentes nessas casas populares sobre a não utilização delas por pessoas contempladas. Uma das medidas que está sendo tomada pelo Banco é a reintegração das casas do Conjunto entregue em outubro passado, o Antônio Costa Filho. Sendo que, nesse residencial, foram entregues 460 casas e há muitas denuncias de supostas vendas e de pessoas que não estão fazendo uso.
“Quem comprou, perdeu o dinheiro. Quem vendeu, perdeu a casa”, disse o Milton, explicando que essas casas não podem ser comercializadas, nem abandonadas ou passadas para outras pessoas. O Banco, então, poderá reintegrar as casas para as pessoas que estão na lista de espera, pois no sorteio já foram inseridas mais 30% que é uma espécie de reserva para sanar esses tipos de problemas elencados acima.
“A gente sabe que, na cidade, há uma defasagem habitacional muito grande”, ressaltou o gerente geral, lembrando que, sabem que essas casas a serem entregues não resolve o problema habitacional, mas melhora a vida de milhares de pessoas que fazem parte das famílias que irão receber as mil casas.
O secretário Agnaldo disse que são muitas as denúncias de venda ilegal e invasão das casas que chegam até a secretaria, nesses casos, um assistente social é encaminhado ao local, confirmada a venda ou invasão, a denúncia é encaminhada ao Banco do Brasil ou ao banco responsável pelo financiamento das casas para fazer a reintegração de posse e depois este imóvel é repassado para outra família que está na lista de espera.
Também na coletiva foi anunciada pelo secretário de Habitação que haverá, entre os dias 25 a 27 de abril, assinatura dos contratos das mil casas populares do programa do Governo Federal Minha Casa Minha Vida, do Residencial Santo Guimarães. Para realizar as assinaturas, os contemplados devem comparecer na secretaria com documentos de identificação, identidade e CPF, originais e fotocópias. Os conjugues que deram entrada nas documentações juntos, devem comparecer juntos no dia da assinatura. Os analfabetos devem comparecer com procuradores.
O secretário frisou: “se, quando a pessoa fez a inscrição, ela declarou o esposo, ou companheiro, eles devem comparecer juntos”, mesmo que tenham separados, pois os dois foram registrados como donos da casa. Mesmo que eles não fossem casados no civil, mas tenha sido declarado no ato da inscrição viverem maritalmente.
As pessoas contempladas já foram notificadas pela Secretaria. É importante lembrar que a ordem de assinatura será alfabética. As pessoas com as iniciais A, B, C, D, E e F, devem assinar no dia 25 de abril. As pessoas com as iniciais dos nomes G, H, I, J, L, N e O, devem comparecer no dia 26 de abril na Secretaria. E as pessoas com as iniciais M, P, Q, R, S, T, U, V, W, Y e Z, devem ir até a Secretária no dia 27.

Compartilhar

Faça um comentário!